sábado, 5 de setembro de 2015

Duas vezes o tamanho de Portugal, desapareceu em área florestal...


Terra perdida no ano passado é equivalente ao dobro da área florestal de Portugal. Todo ser humano… destrói duas árvores por ano. A destruição dos ecossistemas florestais é prejudicial para a humanidade.

A humanidade destrói 15.000 milhões de árvores por ano, o equivalente ao desaparecimento de uma árvore por pessoa a cada seis meses, de acordo com o censo mais preciso sobre o número de árvores no mundo.

"Human competir directamente com os ecossistemas florestais naturais para obter espaço" da superfície da Terra, escrevem os autores da pesquisa na revista Natura.

O que pode ser prejudicial para a própria humanidade, advertem, porque as florestas "abrigam uma grande parte da biodiversidade mundial e fornecem vários serviços, incluindo a qualidade da água, estoques de madeira e captura de carbono" para conter a mudança climática, e produzem a maior parte do oxigénio que respiramos.

O novo censo demonstrou que 3 biliões de árvores vivem na Terra. Este valor é 7,5 vezes superior há 400 mil milhões que havia sido estimado anteriormente no censo feito em 2008. A diferença esta em técnicas empregadas para calcular o número de árvores em ambos os casos. O censo, há sete anos se baseou quase exclusivamente em observações de satélite, por isso não poderia levar em conta a densidade de árvores em cada território. Os dados novos fazem colheitas de satélites com registos feitos no local por 430.000 pontos diferentes da Terra, incluindo todos os tipos de ecossistemas, por isso oferece uma precisão muito maior. O resultado é o trabalho de um consórcio que envolveu cientistas de quinze países.

De acordo com o novo censo, na Terra há 422 árvores por pessoa (o censo anterior tinha limitado o número a 61 árvores por pessoa). A maior densidade de árvores é em regiões subárcticas da Escandinávia, Rússia e América do Norte, onde há cerca de mil árvores por hectare. Mas o maior número de árvores encontradas se encontram em ecossistemas tropicais, que albergam 43% de todas as árvores do mundo, em comparação com 24% das regiões de arvoredo do resto dos bosques Europeus, Asiáticos e norte de América.

video


Apesar de 422 árvores por pessoa pode parecer suficiente, os pesquisadores advertem do declínio e deterioração progressiva dos ecossistemas florestais. Segundo os cálculos, do Programa de Meio Ambiente com base dos dados históricos das Nações Unidas, a população de árvores na terra caiu para metade desde o início da agricultura. Declínio principal é porque os ecossistemas dominados por árvores foram maciçamente desmatados para obter terras agrícolas.

"Há agora menos árvores do que em qualquer momento desde o início do civilização humana e o número ainda está a diminuir a um ritmo alarmante", disse Thomas Crowther, um pesquisador da Universidade de Yale (EUA) e primeiro autor do trabalho. "Esses números demonstram a necessidade de aumentar os esforços se começarmos a reparar alguns desses efeitos em uma escala global."


Um segundo estudo divulgado ontem pelo Instituto de Recursos Mundiais advertindo que a área florestal do mundo diminuiu no ano passado por 188.000 quilómetros quadrados, o equivalente a mais de duas vezes o território de Portugal. O estudo, baseado em observações de satélite, coloca os países onde o desmatamento é acelerado no Sudeste da Ásia (Cambodja, Vietname e Malásia), África (Serra Leoa, Madagáscar, Libéria e as duas Guines) e América do Sul (Uruguai e Paraguai).

Fonte:Nature

Sem comentários:

Enviar um comentário